Professores e alunos da Faculdade Araguaia participam do Intercom Centro-Oeste 2019

Texto: Vinicius Martins

Edição: Profa. Viviane Maia

 

Nos dias 22, 23 e 24 de maio, Goiânia vai sediar o Intercom Centro-Oeste. O tradicional congresso, voltado à pesquisa na área da Comunicação, será realizado no Campus Samambaia da Universidade Federal de Goiás (UFG), e conta com o apoio da Faculdade Araguaia.

Em 2019, o evento tem como tema “Os fluxos comunicacionais e a crise na democracia”. Promovido pela Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação – Intercom, o intuito do congresso é reunir pesquisadores, profissionais e estudantes de graduação e pós-graduação de todo o Centro-Oeste para debater os temas atuais de destaque no cenário da comunicação regional e pensar sobre as práticas comunicacionais contemporâneas.

Além dos debates, o Intercom também vai oferecer palestras com pesquisadores de renome, oficinas, seminários e exposições de pesquisas e produtos de comunicação.

Como apoiadora, a Faculdade Araguaia também será representada por professores e alunos que se inscreveram e vão apresentar trabalhos produzidos na instituição, além de concorrer nos espaços Intercom Júnior e Expocom.

Na quinta-feira pela manhã, dia 23 de maio, as professoras dos cursos de Comunicação da FARA, Viviane Maia e Juliana Junqueira vão ministrar a oficina “Um celular na mão e uma pauta na cabeça: como produzir jornalismo para plataformas multimídia”.

Professora Juliana Junqueira. Foto: Lu Couto e Willian Alves.

Na mesma data, no período da tarde, a professora Viviane Maia, que também é coordenadora dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda da Faculdade Araguaia, vai participar como palestrante da mesa com o tema: “Ensino da Comunicação no Centro-Oeste – Novas Diretrizes Curriculares de Publicidade e Propaganda”.

A coordenadora dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda da Faculdade Araguaia, professora Viviane Maia. Foto: divulgação.

Sobre a Intercom

A Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação – é uma instituição sem fins lucrativos, destinada ao fomento e à troca de conhecimento entre pesquisadores e profissionais atuantes no mercado. A entidade estimula o desenvolvimento de produção científica não apenas entre mestres e doutores, mas também entre alunos e recém-graduados em Comunicação, oferecendo prêmios como forma de reconhecimento aos que se destacam nos eventos promovidos pela entidade.

Fundada há 41 anos, no dia 12 de dezembro de 1977 em São Paulo, a Intercom preocupa-se com o compartilhamento de pesquisas e informações de forma interdisciplinar. Além de encontros periódicos e simpósios, a instituição promove um congresso nacional – evento de maior prestígio na área de pesquisa em Comunicação, que recebe uma média de 3,5 mil pessoas anualmente, entre pesquisadores e estudantes do Brasil e do exterior. Sediado em cidade escolhida pelos sócios no ano anterior, o evento é precedido de cinco congressos regionais.

A sociedade é responsável ainda, pelo lançamento de livros e revistas especializados em Comunicação, e pela busca de parcerias com entidades de mesmo objetivo e institutos e órgãos de incentivo à pesquisa brasileiros e estrangeiros. Esse intercâmbio é um incentivo à formação científica, tecnológica, cultural e artística, além de uma forma de capacitar professores, estudantes e profissionais da Comunicação.

Intercom Júnior

O Intercom Júnior é um espaço acadêmico criado para acolher trabalhos de estudantes de graduação em Comunicação e também de recém-graduados (até um ano após a conclusão do curso). A atividade se dá em dois momentos distintos ao longo de cada ano: no Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Intercom) e nos congressos regionais da entidade.

Os acadêmicos podem apresentar pesquisas derivadas de projetos de iniciação científica, de trabalhos de conclusão de curso (TCC), discussões teórico-práticas oriundas de ações de extensão e artigos finais de disciplinas cursadas na graduação, entre outras. Os trabalhos inscritos, tanto nos congressos regionais quanto no nacional, devem seguir as divisões temáticas (DTs) e suas ementas, estabelecidas também para os grupos de pesquisa.

Expocom

A Expocom – Exposição de Pesquisa Experimental em Comunicação, além de uma exposição, é um prêmio destinado aos melhores trabalhos experimentais produzidos exclusivamente por estudantes no campo da Comunicação.

Os trabalhos participantes devem, obrigatoriamente, ser realizados sob orientação e/ou supervisão de um ou mais docentes, dentro do espaço acadêmico da Instituição de Ensino Superior (IES), e se inserir no âmbito de uma ou mais disciplinas acadêmicas da estrutura curricular do curso de graduação, com exceção feita apenas às modalidades de agências juniores nas categorias “Jornalismo”, “Publicidade e Propaganda” e “Relações Públicas e Comunicação Organizacional”.

A premiação é simbólica e beneficia os autores pela qualificação de seu curriculum vitae, o que pode se traduzir em oportunidades no mercado de trabalho.

SERVIÇO

Intercom Centro-Oeste 2019
Tema: Os fluxos comunicacionais e a crise na democracia

Quando: 22 a 24 de maio de 2019 (quarta a sexta-feira)
Onde:  Universidade Federal de Goiás (UFG) – Campus II (Samambaia)
Endereço: Av. Esperança, s/n – Chácaras de Recreio Samambaia, Goiânia – GO
Outras informações e inscrições: clique aqui

Faculdade Araguaia realiza bazar e feira em prol do Cevam

Texto: Vinicius Martins e Jonathan Cavalcante

Edição: Profa. Viviane Maia

 

Nesta sexta-feira (17/5), os cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda da Faculdade Araguaia realizam uma série de ações voltadas para a assistência ao Centro de Valorização da Mulher (Cevam), a partir das 17h, na unidade Bueno. Entre as ações o Bazar Abrace uma Causa, onde serão comercializadas peças de vestuário e acessórios a preços populares; e a II Feira Trocaê, que promove a troca e a venda de produtos culturais – tais como livros, CDs, DVDs, vinis, gibis etc. Toda renda levantada com as vendas será integralmente doada ao Cevam.

Na ocasião, ainda será apresentada a segunda edição da revista #Comunica!, que reúne reportagens e artigos sobre o Cevam e sua fundadora – a jornalista Consuelo Nasser –, feminicídio, violência doméstica, Lei Maria da Penha e outros temas femininos. A publicação conta com edição das jornalistas e professoras Patrícia Drummond e Viviane Maia. Também serão apresentados os vídeos institucionais sobre o Cevam e campanhas de prevenção à violência contra a mulher.

O Abrace uma Causa é um projeto de responsabilidade desenvolvido pelos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda. Tem por objetivo a cada semestre abraçar uma causa. Neste, foi a violência contra a mulher.

Sobre o Cevam

Fundado em 1981, o Centro de Valorização da Mulher Consuelo Nasser (Cevam) é um órgão de Utilidade Pública sem fins lucrativos, que visa a implantação de programas e ações preventivas para assistir e garantir direitos às mulheres e seus filhos, crianças e adolescentes em situação de violência, abuso sexual ou abandono, oportunizando assistência social, psicológica e jurídica – cenários de risco e vulnerabilidade tratados em caráter de urgência, emergência e sociopatia crônica.

Responsável pelo projeto Casa da Mãe Sozinha Anália Franco, a instituição promove ainda, estudos sobre a condição feminina em Goiás, além de mobilizar as mulheres em uma frente ampla contra a violência, discriminações e preconceitos e lutar pela eliminação de leis que inferiorizam a mulher.

Sobre a Faculdade Araguaia

A Faculdade Araguaia é uma instituição inovadora, voltada para o desenvolvimento intelectual de seus estudantes, com modernas técnicas pedagógicas. Sua proposta é construir uma relação entre educador e educando baseada na ética e valores fundamentais para a interação do ser humano com a sociedade.

Instituída em Goiânia há 18 anos, em 2001, a Faculdade Araguaia tem como mantenedora a Sociedade de Educação e Cultura de Goiás. Conta com três unidades (Bueno, Centro e Passeio das Águas Shopping), além de polos de Educação à Distância (EaD) em território nacional e internacional, onde são oferecidos cursos de graduação, nos turnos matutino e noturno, graduação à distância, além de pós-graduação lato sensu. Saiba mais em: www.faculdadearaguaia.edu.br.

 

Serviço

Bazar Abrace uma Causa e II Feira Trocaê

Lançamento da revista #Comunica!

Data / Horário: 17 de maio, das 17h às 22h

Local: Faculdade Araguaia (Av. T-10 nº 1.047, Setor Bueno)

Entrada gratuita (levar produtos culturais para troca e produtos de limpeza doméstica e higiene pessoal para doação ao Cevam)

Cineclube: A Era Digital do Capitalismo

Texto: Matheus Pessoa

Fotos: Diogo Teixeira

Edição: Profa. Viviane Maia

 

Foi realizada nesta sexta, 22 de março, no auditório do Colégio Téo, a sessão de estreia da 10º edição do Projeto de Extensão Cineclube Araguaia, com a exibição do filme mexicano Tempo Compartilhado. Após o filme, os professores Gustavo Ponciano e Roberta Barros participaram de um debate sobre o longa metragem, analisando a obra dentro do contexto da cultura digital e da nova economia.

Esta atividade marcou o encerramento da Semana de Integração Acadêmica e Recepção de Calouros 2019/1 dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda da Faculdade Araguaia. O projeto de extensão que chega à sua 10ª edição vai tratar neste semestre do tema economia compartilhada, que tem por objetivo discutir o trabalho, consumo e lazer no capitalismo tardio.

Estudante de Publicidade e Propaganda da Faculdade Araguaia afirma ter gostado muito da atividade. “É bem a realidade do que estamos vivendo hoje. O filme promove uma reflexão sobre os pontos negativos e positivos de uma economia compartilhada”.

Os professores Roberta Barros e Gustavo Ponciano. Foto: Diogo Teixeira.

O enredo

O filme trata do tema economia compartilhada. O enredo apresenta duas histórias que se encontram. Uma que é a de Andrés e de sua esposa. Ele e sua esposa, Glória, trabalharam a maior parte de suas vidas no hotel. Ele teve um problema de saúde quando novo e não se sente feliz no trabalho. Já sua mulher se deslumbra com a nova gestão do hotel, que a prepara para um cargo de mais confiança. O casal vive uma crise conjugal.

A outra história também é de um outro casal, Pedro e sua esposa que vão passar alguns dias no hotel onde Glória e Andrés trabalham. Esses hóspedes tiveram a privacidade invadida por ter que dividir, com outra família, a casa que alugou pra passar as férias. No entanto essa outra família foi colocada pelo hotel, para influenciá-los a se tornarem membros do hotel. No final, Andrés desmascara o hotel para o cliente, sua esposa perde o cargo e a oportunidade que tanto almejava. E o cliente não se torna membro, mesmo contra a vontade de sua família.

Economia compartilhada

Primeiro foram as locadoras de DVD, depois as redes hoteleiras e agora os taxistas. Diversas empresas tradicionais estão sendo substituídas por alternativas da economia compartilhada, uma perspectiva inovadora que está revolucionando o mundo dos negócios. Essas iniciativas, bastante populares nos dias de hoje, como Airbnb, Netflix e 99, estão dominando uma parcela cada vez maior do mercado.

O sucesso de tais empresas, entretanto, não é por acaso. Elas entenderam e focaram nas principais características do momento econômico que estamos vivendo: a era do compartilhamento, da experiência e da tecnologia. Estes modelos de negócio se enquadram na chamada nova economia, fruto da cultural digital.

De acordo com projeções da consultoria PwC, a economia compartilhada movimentará mundialmente US$ 335 bilhões, em 2025. Especialistas também indicam que esse modelo pode contribuir com mais de 30% do Produto Interno Bruto (PIB) do setor de serviços no Brasil. É uma oportunidade que não pode ser ignorada.

Se você tem um negócio, essa é uma alternativa com custo de investimento relativamente menor. Você pode usar recursos que já tem, em especial a sua rede de contatos, e não precisa alugar novos espaços ou contratar novos funcionários. A expansão através da internet necessita somente de investimento em uma ferramenta online e marketing digital atração de demanda.

O auditório do Colégio Téo. Foto: Diogo Teixeira.

Profissionais de jornalismo e de publicidade compartilham experiências

Texto e Fotos: Lu Couto e Willian Alves

Edição: Profa. Viviane Maia

 

A coordenação dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda promoveu, nessa terça-feira 19 de março, o Encontro de Egressos, dentro da programação do segundo dia da Semana de Integração Acadêmica dos Cursos de Comunicação da Faculdade Araguaia. O evento – realizado no auditório da unidade Bueno nos períodos matutino e noturno – teve como objetivo promover um debate entre egressos, alunos e professores sobre os desafios que podem ser encontrados no mercado de trabalho.

Encontro de Egressos. Foto: Lu Couto e Willian Alves

A atividade do período matutino foi mediada pelas professoras Márcia Pimenta e Viviane Maia e contou com a participação dos jornalistas e ex-alunos da faculdade Yago Sales, Kariny Bianca e Thais Dutra; e também com os publicitários e egressos da instituição Synval Jordão, Danúbia Borges e Jordão Vilela colaboraram com as discussões.

Para a publicitária Danúbia Borges, trabalhar em uma agência de publicidade exige inquietude e mente aberta para entender a necessidade do cliente. “Eu sempre fui atrás daquilo que não conhecia. Quanto mais conhecimento, melhor para ingressar no mercado de trabalho”, expressa.

A publicitária Danúbia Borges. Foto: Lu Couto e Willian Alves

O jornalista investigativo Yago Sales afirma que para contar com um diferencial no mercado competitivo é necessário ter obsessão pela informação, o que impacta diretamente nas formas de fazer jornalismo. “É preciso estar onde acontece uma tragédia ou um fato que é relevante para a sociedade”, sugere. Sales indica aos acadêmicos a leitura como um dos instrumentos para o sucesso profissional.

Cerca de 100 alunos do matutino participaram do encontro. Entre eles, o músico Maurício de Lavenère Bastos, do 2º período de jornalismo, que achou pertinente e esclarecedora as colocações dos convidados. “A interdisciplinaridade ente o jornalismo e a publicidade tem de ser respeitada, para fazermos um bom trabalho na comunicação”, afirma.

Mãos à obra: Estudantes do matutino participam do segundo dia de oficinas

Texto e Fotos: Lu Couto e Willian Alves

Edição: Profa. Viviane Maia

 

O segundo dia de oficinas, do período matutino, foi realizado nessa quinta-feira, 21 de março, dentro da programação da Semana de Integração Acadêmica de Jornalismo e Publicidade. Assim como no primeiro dia, as atividades foram desenvolvidas em salas e laboratórios de informática. O objetivo destas atividades é colocar os estudantes em contato com a prática e desta forma melhor preparar os discentes para o mercado de trabalho.

As oficinas ofertadas nesta quinta-feira foram as seguintes:Roteiro audiovisual de ficção, ministrada pelo professor Frederico Carvalho; Let’s speak English, com o professor Maurício Lopes; e a continuação da oficina que iniciou ontem Um telefone e na mão e uma ideia na cabeça: como produzir audiovisual usando o celular, com a docente Verônica Brandão. Ao todo, 72 estudantes participaram das atividades e garantiram quatro horas extracurriculares, além de aprendizado e experiência.

O professor Frederico Carvalho elogiou a Semana de Integração Acadêmica, pois acredita que a mesma traz reflexões e discussões no âmbito acadêmico. “Na oficina, a gente tem uma condensação de um tema e o associamos com a prática. O aluno pode visualizar melhor a aplicação do seu conhecimento durante as aulas”, afirma.

O professor Maurício Lopes explica que tentou conciliar, em sua oficina, a língua inglesa ao campo da comunicação. “O aluno tem uma noção de inglês, mas, às vezes não tem a prática. A ideia é apresentar alguns aspectos gramaticais da língua que permitem ao mesmo descobrir o sentido da palavra”, sustenta.

Professor Maurício Lopes. Foto: Lu Couto e Willian Alves.

O acadêmico Eleonayo Miguel participou da oficina de inglês e concorda que a aprender outro idioma tem sua importância na formação em jornalismo. “Precisamos buscar fontes não apenas em nossa língua, mas no mundo todo, pois como disse o professor, o mundo se comunica em inglês. Quando vi que haveria essa oficina foi a minha primeira opção”, explica.

Aluno Eleonayo Miguel. Foto: Lu Couto e Willian Alves.

Para a estudante Priscilla Cavalcante, de 28 anos, caloura do curso de Publicidade e Propaganda, a oficina da qual participou ajudou na compreensão das técnicas audiovisuais. “Foi um aprendizado muito grande e uma das melhores aulas que eu já tive até agora. Hoje tenho uma nova visão sobre como tirar fotos, gravar vídeos”, comemora.

A aluna Priscilla Cavalcante. Foto: Lu Couto e Willian Alves.

Nesta sexta-feira, a Semana de Integração Acadêmica será encerrada com duas sessões da 10ª edição do Projeto de Extensão Cineclube Araguaia, nos períodos matutino e noturno, respectivamente nos auditórios da unidade Bueno da Faculdade Araguaia e do Colégio Téo. O filme escolhido para a estreia desta edição da iniciativa foi o mexicano Tempo Compartilhado.

Oficinas movimentaram a Semana de integração Acadêmica

Texto: Camila Novais e Dili Zago

Edição: Profa. Viviane Maia

 

Dinâmica, troca de ideias e incentivo à criatividade tiveram destaques nas oficinas realizadas quarta e quinta-feira – dias 20 e 21 de março –, dentro da programação da Semana de Integração Acadêmica e Recepção de Calouros, promovida pelos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda. Para os alunos do noturno, foram ofertadas nove oficinas, realizadas nas salas de aula e laboratórios do bloco 1 da unidade Bueno.

Divididos por temas em cada oficina, os alunos colocaram a mão na massa. Na oficina Novas formas de consumo na economia compartilhada, ministrada pela professora Márcia Pimenta, os alunos foram desafiados a criarem um negócio que rompesse com algum padrão já estabelecido. A professora diz ainda que a atividade proposta teve o objetivo de estimular a criatividade, um olhar voltado para a inovação, que ela acredita ser um estímulo útil não apenas para sua carreira profissional, mas para seu cotidiano.

Professora Márcia Pimenta durante oficina. Foto. Camila Novais e Dili Zago.

Na oficina Roteiro e criação em rádio não foi diferente. Direcionados pelo professor Gildésio Bomfim, os alunos pensaram e promoveram um mini programa de rádio. Diego Araújo, estudante do 5º período de Jornalismo, afirma ter aprovado a oficina. “Eu gosto muito dessa área e poder criar um programete junto com meus colegas aqui hoje foi muito divertido”, conta ele sorrindo após sair do estúdio, onde havia gravado o programa desenvolvido com seus colegas.

Com a oficina We Love ABNT, o professor José Antônio Cirino falou sobre a importância da escrita científica. Como fazê-la de forma adequada, quais são as principais normas da ABNT, que são utilizadas na Faculdade Araguaia. Os alunos fizeram uma atividade prática de como elaborar a formatação direta de um arquivo do Word, trabalhando com a escrita científica.

A oficina We love ABNT contou com alunos de todos os períodos, até mesmo os que já estão em fase de projeto de pesquisa e produção do trabalho de conclusão de curso, justificando a importância que o aluno tem de aprender ABNT desde quando ele inicia na faculdade e também ao concluir a graduação.

Conduzida pela professora Joseane Ribeiro, na oficina Boas práticas para e-mail marketing, os alunos foram bem participativos. Já que o tema da oficina é bem prático, do cotidiano, os alunos compartilharam experiências entre si.

A professora destacou sobre a importância de uma oficina com esse tema. “Quando falamos de digital, acabamos colocando o e-mail marketing como ‘patinho feio’. Então é uma ideia para a gente começar a repensar o e-mail marketing, ver como ele funciona, ver as melhores práticas, discutir sobre o que recebemos, por isso as atividades são em torno de coisas reais, coisas que estão na nossa caixa de entrada”.

Na oficina de fotografia intitulada Além da selfie, a professora Karine do Prado deu dicas valiosas de como fazer uma boa foto sem precisar de câmeras profissionais, utilizando apenas o celular. Os alunos aprenderam que como “mobile” vem de mobilidade, eles têm que ir até o objeto, assunto a ser fotografado.

A docente Karine do Prado também listou aplicativos para edição de fotos, como: snapseed, VSCO, PhotoGrid. Como também aplicativos de fotografia profissional, alguns deles são: Camera ZOOM, FX Manual, ProShot, Open Camera e Cymera.

A professora fala de como a receptividade dos alunos com a oficina foi boa, principalmente porque é muito próximo da realidade dos alunos, já que usam muito o celular, mas que nunca tinha visto como foi tratado dentro da oficina, explorando as potências do aparelho, usando fundamentos da fotografia para fazer uma boa foto.

O aluno Ueres Silva, do curso de Publicidade e Propaganda, fala que a oficina foi um aprendizado, revendo conceitos que já havia esquecido. Com uma atividade prática, os alunos puderam apresentar o que aprenderam em sala de aula.

Em Escrita Criativa, oficina comandada pela professora Sandra Paro, os alunos saíram da sala de aula com uma visão nova de como escrever um bom texto. Para escrever precisa ler, diz a professora. Qual assunto desperta em mim o interesse em saber mais? Qual a base do meu entusiasmo? O que me torna curioso? Essas foram algumas questões tratadas na oficina, questões essas que buscam no escritor uma motivação para aprender.

Sandra Paro diz que escrever nem sempre é fácil, e motivar para escrever em uma geração que lê pouco é complicado, então a motivação para a leitura é uma proposta séria, um convite sério, principalmente para acadêmicos, por que eles têm que ler, têm que se informar.

“A informação não é só cotidiana, ela vai além. Por que a informação cotidiana qualquer um pode produzir, você que é profissional tem que produzir uma informação mais completa, mais detalhada, diferenciada. A criatividade é um bom caminho, o exercício da criatividade, da leitura, da escrita, é um excelente caminho para qualquer acadêmico”, ressalta a professora.

Professora Juliana Junqueira em oficina. Foto. Camila Novais e Dili Zago.

Oficinas ofertadas no noturno

  1. Além da selfie: como fazer fotos incríveis usando apenas o celular – professora Karine Ribeiro
  2. Boas práticas para e-mail marketing – professora Joseane Ribeiro
  3. Edição audiovisual em Adobe Première – professora Juliana Junqueira
  4. Novas formas de produção e consume na economia compartilhada – professora Márcia Pimenta
  5. Redação criativa – professora Sandra Paro
  6. Roteiro e criação em rádio – professor Gildésio Bomfim
  7. Roteiro e criação em vídeo – professora Verônica Brandão
  8. Rotina na agência de publicidade – professora Cláudia Temponi
  9. We love ABNT – professor José Antônio Cirino

Filme Tempo Compartilhado inaugura 10ª edição do Cineclube Araguaia

Texto e Fotos: Lu Couto e Willian Alves

Edição: Profa. Viviane Maia

 

Foi aberta nesta sexta-feira, 22 de março, a 10ª edição do Projeto de Extensão Cineclube Araguaia, com sessões no matutino e no noturno, respectivamente nos auditórios da unidade Bueno da Faculdade Araguaia e do Colégio Téo. O filme escolhido foi Tempo Compartilhado, do diretor mexicano Sebastian Hofmann. O projeto é realizado todos os semestres, desde 2014, e tem por objetivo discutir temas atuais, por meio da exibição de produções audiovisuais seguida de debates.

Após a exibição do filme, foi realizada uma mesa de debates formada pelos professores dos cursos de Comunicação Gustavo Ponciano, Roberta Barros e Verônica Brandão; além do professor de Economia Douglas Paranaíba, do curso de Direito. O debate levantou questões pontuais relacionadas à forma de vida da sociedade contemporânea.

De acordo com a professora Verônica Brandão, um filme não é feito sozinho, por isso na produção audiovisual tudo é compartilhado e isso acaba refletindo na distribuição e venda do produto. “A economia compartilhada está em todos os campos como, por exemplo, na nossa locomoção, diversão, trabalho, família entre outros. Por isso, não há como não pensar em compartilhamento de produtos e serviços de uso comum”, explica.

Professora Verônica Brandão. Foto: Lu Couto e Willian Alves.

A professora Juliana Junqueira, que esteve presente na sessão da noite, lembra que estamos cada vez mais isolados uns dos outros e alerta para a falta de diálogo entre os profissionais da comunicação “Nós não fazemos comunicação sozinhos. Se nos afastarmos de outros profissionais, como ocorreu no filme, que era uma resistência do personagem principal em não compartilhar o espaço, acabaremos iguais a ele, ou seja, sem sucesso algum”, discorre.

Professora Juliana Junqueira. Foto: Lu Couto e Willian Alves.

Para o professor Douglas Paranaíba, “o filme veio com a proposta de tentar criticar o que seria a nova onda de economia compartilhada. Trouxe uma visão crítica do sistema de mercado e o sistema de capitalismo. A economia compartilhada é uma quebra de paradigmas”.

Professor Douglas Paranaíba. Foto: Lu Couto e Willian Alves.

O estudante do primeiro período de Publicidade e Propaganda, Gabriel Gomes, de 18 anos, destacou que o filme tem tudo a ver com o eixo temático do semestre. “Estamos usando outros meios para compartilhar a mesma informação. Não está mais centralizado apenas na televisão, no rádio e jornais, como era antes”, afirma.

Aluno Gabriel Gomes. Foto: Lu Couto e Willian Alves.

Na prática: Oficinas movimentam terceiro dia de atividades

Texto e fotos: Lu Couto e Willian Alves

Edição: Profa. Viviane Maia

 

O terceiro dia da programação da Semana de Integração Acadêmica dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda, 20 de março, foi dedicado a realização de oficinas, nos períodos matutino e noturno. Nesta quarta pela manhã, das 8h às 12h,foram realizadas três oficinas, nas salas e laboratórios da unidade Bueno. Elas contaram com a participação de alunos interessados em agregarem mais conhecimentos e melhorarem seus portfólios, para ingressarem futuramente no mercado de trabalho.

A coordenadora dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda, professora Viviane Maia, explica porque foram reservados dois dias da programação da Semana de Integração Acadêmica para a realização de oficinas. “Os alunos gostam muito de atividades práticas. Amam colocar a mão na massa. Por isso, dois dias foram dedicados às oficinas, que tratam de temas bem atuais. Nesta manhã, mostramos como o telefone celular é uma ferramenta de trabalho para jornalistas e publicitários”, esclarece.

Os alunos do matutino se dividiram em três oficinas: Um telefone na mão e uma ideia na cabeça: como produzir audiovisual usando o celular, com a professora Verônica Brandão; Mobgrafia – a fotografia mobile. A vida pelas lentes do smartphone,com a professora Karine do Prado; e Como fazer jornalismo usando o celular, com a professora Viviane Maia.

Durante as oficinas, os alunos tiveram a oportunidade de aprender na prática. O pátio, laboratórios e salas de aula ficaram movimentados com a presença dos participantes, que buscavam as melhores fotos, imagens e entrevistas com fontes para poderem colocar em prática as orientações passadas pelas três professoras-oficineiras.

Para a professora Karine do Prado, os alunos estavam empolgados por praticarem com o celular,já que ele é uma ferramenta que quase todos têm, contudo não refletem sobre as inúmeras possibilidades do aparelho. “Essa oficina ampliou os horizontes dos alunos para que eles pudessem perceber que através do smartphone é possível fazer fotos bem parecidas com a profissional”, afirma a docente.

Professora Karine do Prado. Foto: Lu Couto e Willian Alves.

Para a aluna Gabriela Aziz de Assis, do 2º período de Publicidade e Propaganda, as oficinas agregam no conhecimento sobre o uso do celular para atividades jornalísticas e publicitárias. “Agora que começamos, de fato,a aprender as formas de criação audiovisual,ampliando nossa imaginação e criatividade para produção de bons vídeos profissionais”, comemora.

Aluna Gabriela Aziz de Assis. Foto: Lu Couto e Willian Alves.

Participante da oficina Como fazer jornalismo usando o celular, a acadêmica do 1º período de Jornalismo Nathália Santos diz que gostou da oficina, pois descobriu que para fazer jornalismo não são necessários muitos equipamentos. “Hoje, pude perceber que posso fazer muito com pouca coisa. Aprender a fazer coisas novas com um simples celular que a gente sempre tem à mão é muito interessante”, relata.

Aluna Nathália Santos. Foto: Lu Couto e Willian Alves.

Cineclube Araguaia: Filme ‘Tempo Compartilhado’ abre 10ª edição do projeto de extensão

Texto: Matheus Pessoa e Kim Dietz

Edição: Profa. Viviane Maia

 

Realizado desde o segundo semestre de 2014, o projeto de extensão Cineclube Araguaia chega à sua 10ª edição neste semestre. O filme Tempo Compartilhado foi o escolhido para a temporada 2019/1. Nesta sexta-feira, 22 de março, serão realizadas duas exibições, às 8h e 18h30, respectivamente nos auditórios Bueno da Faculdade Araguaia e do Colégio Téo. Após a exibição do filme, será realizada uma mesa de discussão formada pelos professores Gustavo Ponciano, Roberta Barros e Verônica Brandão, quando serão levantadas questões relacionadas a nossa sociedade.

De acordo com o professor Frederico Carvalho, um dos idealizadores do projeto, os temas são relacionados a nossa vida e em diversas áreas, como politica, economia, cultura, arte e etc. Mas tudo é sobre o viés da comunicação social, puxando uma interlocução entre essas áreas e os teóricos da comunicação, sempre buscando esses diálogos da teoria com aquilo que é exposto nos filmes.

Frederico Carvalho destaca o projeto cineclube como fundamental para debate sobre questões atuais. “Considero o projeto Cineclube Araguaia importantíssimo para a reflexão e o aprofundamento de questões relacionadas a nossa sociedade, relacionadas ao nosso cotidiano e a profissão de comunicador social, jornalistas e publicitários.”

O tema que será discutido nesse semestre é “Trabalho, consumo e lazer no capitalismo tardio”. Segundo Gustavo Ponciano, a ideia de capitalismo tardio surge em leituras críticas de novas formas de produção, distribuição e absorção que surgem e se desenvolvem a partir dos anos 1970; da percepção de que o capitalismo passa da atuação sobre a ideia da racionalidade própria à acumulação para a ideia emocional do consumo, expandindo, assim, os tipos de produtos, não mais apenas materiais, mas também imateriais.

O estudante de Jornalismo Luís Felipe Evangelista destaca a importância da iniciativa. “Para mim o cineclube é um projeto muito interessante e importante para o curso de comunicação, porque exibe produções audiovisuais tanto recentes como antigas para trazer assuntos que de alguma forma nos ajudará no nosso desempenho escolar e na nossa formação”.

 

SERVIÇO

Projeto de Extensão do Cineclube 2019/1

Data: 22 de março de 2019

8h – Auditório Bueno da Faculdade Araguaia

18h30 – Auditório do Colégio Téo

Entrada franca

 

FICHA TÉCNICA

Título original: Tiempo compartido
Gênero: Comédia
Ano: 2018
Classificação indicativa: +12
Duração: 136 min
País: México
Direção: Sebastián Hofmann

Sinopse: Pedro está cada vez mais intrigado. Ele acha que os vários contratempos que enfrenta com a família num resort , em férias, fazem parte de um plano sinistro. Será?

Encontro de Egressos: Como obter sucesso no mercado de trabalho

Texto: Ana Claudia Porto e Brenda Bianca

Edição: Profa. Viviane Maia

 

Nesta terça-feira, 19 de março, será realizado o Encontro de Egressos dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda da Faculdade Araguaia, no auditório Bueno, às 8h30 e às 18h30. A atividade compõe a programação da Semana de Integração Acadêmica e Recepção dos Calouros, que prossegue até a próxima sexta-feira e conta com oficinas, aula magna e sessão de cineclube. O objetivo do evento é abrir o oficialmente o semestre e apresentar as principais discussões e atividades que serão realizadas neste semestre nos dois cursos.

O Encontro de Egressos é uma atividade que faz parte da programação acadêmica dos dois cursos e tem por objetivo trazer de volta ao ambiente estudantil profissionais de jornalismo e publicidade que se formaram na Faculdade Araguaia e atuam no mercado de trabalho. O objetivo é que estes profissionais egressos da instituição compartilhem dicas e experiências.

A atividade objetiva mostrar e incentivar os alunos a buscarem mais sobre a sua futura formação, mostrando a eles uma outra visão, o ponto de vista de quem já esteve onde eles se encontram hoje. A expectativa do evento é fazer com que os alunos possam usufruir das dicas de quem já saiu da instituição e se encontra no mercado de trabalho como jornalista.

Estudante do 6º período do curso de Jornalismo, Amanda Oliveira afirma que “o encontro com os ex-alunos ajuda bastante a ter uma noção maior de como é o mercado e as dificuldades que a profissão traz no começo da carreira e como se manter no mercado”.

Jornalista e professora da instituição, Patrícia Drummond destaca que “o evento é importante pois faz o intercâmbio com os alunos que estão cursando e os ex-alunos profissionais que hoje estão no mercado. Os profissionais de sucesso servem como inspiração para os alunos quebrando o paradigma que só a universidade pública forma bons profissionais”.

SERVIÇO

Semana de Integração Acadêmica e Recepção de Calouros
Encontro de Egressos

Data: 19 de março
Horário: às 8h30 (matutino) e às 18h30 (noturno)
Local: Auditório da unidade Bueno (Av. T-10, 1047 – Setor Bueno, Goiânia – GO)
Entrada gratuita

ECONOMIA COMPARTILHADA É TEMA DE EVENTO

Texto: Jonathan Cavalcante e Michel Paiva

Edição: Profa. Viviane Maia

 

Começa nesta segunda-feira, 18 de março, a Semana de Integração Acadêmica dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda da Faculdade Araguaia. A programação – que prossegue até a próxima sexta – será aberta com a aula magna intitulada Economia compartilhada: produção e consumo em Comunicação, das 18h30 às 22h, no auditório da Unidade Bueno.

Neste semestre, a aula inaugural contará com um formato diferente: os dois convidados – Francisco Lima Júnior, analista de Inovação e Competitividade do Sebrae Goiás; e Marcos Alberto Bernardo, co-fundador e sócio do Instituto Parque Tecnológico Gyntec –, além de apresentarem uma análise sobre o cenário atual para os negócios, serão sabatinados pelos professores Altair Tavares, Frederico Carvalho, Márcia Pimenta e Verônica Brandão. A mediação ficará a cargo da professora Viviane Maia, coordenadora dos cursos.

Em um formato diferente, seguindo um modelo “arena”, já conhecido do programa Roda Viva, da TV Cultura, os convidados vão discorrer sobre as possibilidades de negócio na economia digital e comportamentos disruptivos. Quais são as possibilidades de negócios no século XXI? Essa e outras questões serão levantadas.

A professora Márcia Pimenta, que participará da sabatina, destaca que essa discussão é de extrema relevância no âmbito da comunicação, uma vez que trabalhamos com produção e consumo cotidianamente.

“Estamos vivenciando uma mudança de paradigma nas relações de produção e consumo. Tais relações influenciam novos modos de vida, relações, formas de trabalho, etc. A economia compartilhada é uma tendência nessas relações e nos comportamentos de consumo – dividir o uso (ou a aquisição) de produtos e serviços, naquilo que se denomina consumo colaborativo”, esclarece.

A docente explica que há, nesse contexto, o surgimento de inúmeras possibilidades de se empreender e um novo jeito de viver e de consumir. Hoje, é possível compartilhar transportes, rotas, casas, quartos, utensílios os mais diversos, músicas, dentre outros, tendo as tecnologias da informação como facilitadoras.

Ela ainda destaca a relevância do tema no Jornalismo “faz-se necessário refletir sobre os novos modos de se produzir conteúdos jornalísticos, de maneira colaborativa e independente, assim como os novos públicos e suas respectivas participações nessa produção.”

Um dos sabatinadores da aula inaugural, o professor Altair Tavares explica que o tema do semestre é bastante coerente com o cenário que vivemos atualmente, marcado pelos avanços tecnológicos e o desenvolvimento de startups.

“Vamos ter a oportunidade de debater do que já conhecemos, principalmente do projeto do Gyntec, que é um local que tem promovido o desenvolvimento de startups. E desenvolver negócios da economia compartilhada, pode ser uma grande oportunidade para os nossos futuros profissionais da área da comunicação e da tecnologia. Portanto, a escolha muito atual, espero que o debate realmente possa ser um alavancador de boas ideias e principalmente com a contribuição dos nossos palestrantes.”

Entenda o que é economia compartilhada

O tema Economia compartilhada: produção e consumo em comunicação é um assunto relevante e que envolve a mudança de comportamento social e de consumo. A economia compartilhada é uma nova tendência de hábitos de consumo, onde a divisão do uso ou compra de serviços e produtos acontecem de forma colaborativa.

Ela permite que as pessoas mantenham o mesmo estilo de vida, sem precisar adquirir mais, o que impacta positivamente não só no bolso, mas também na sustentabilidade do planeta. Além dos já conhecidos Uber, Airbnb, Prime Fraction Club e Tripda, conheça também algumas startups brasileiras do nicho: Tem Açúcar?; SmartBeach; Bliive; Vivências; Happymoment; Kiiin; Serviçaria; ezPark; Dog Hero; Quintal de Trocas e My Open Closet.

SERVIÇO

Aula Magna – Semana de Integração Acadêmica

Data: 18/03 (segunda-feira)
Horário: 18h30 às 22h
Local: Auditório da Faculdade Araguaia – Unidade Bueno
Entrada gratuita

Cursos de Jornalismo e Publicidade realizam Semana de Integração Acadêmica 2019/1

Texto: Vinicius Martins

Edição: Profa. Viviane Maia

 

Com o intuito de recepcionar os alunos recém-chegados, promover uma integração entre veteranos e calouros e apresentar a pauta norteadora do semestre, a coordenação dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda da Faculdade Araguaia realiza a Semana de Integração Acadêmica 2019/1, de 18 a 22 de março, das 8h às 12h e das 18h30 às 22h, na unidade Bueno. A programação é variada e contará com aula magna, encontro de egressos, oficinas e sessão de cinema.

A programação será aberta com a aula magna, que será realizada em um formato especial: os convidados Francisco Lima Júnior, analista de Inovação de Competitividade do Sebrae/GO; e Marcos Alberto Bernardo de Campos, co-fundador e sócio do Instituto e Parque Tecnológico Gyntec serão sabatinados pelos professores Altair Tavares, Frederico Carvalho, Márcia Pimenta e Verônica Brandão. A mediação ficará a cargo da coordenadora dos cursos, professora Viviane Maia.

A terça-feira será reservada para o Encontro de Egressos, que será realizado em duas edições: uma no matutino e outra no noturno. O objetivo da atividade é reunir ex-alunos dos cursos de Jornalismo e Publicidade, que vão compartilhar suas experiências no mercado de trabalho com os atuais alunos.

A quarta e a quinta ficarão reservadas para oficinas diversas, que serão ministradas pelos professores dos cursos no matutino e no noturno. Já na sexta-feira, a programação será encerrada com sessões do cineclube nos dois turnos. O filme escolhido é Tempo Compartilhado, que será comentado pelos professores Gustavo Ponciano, Roberta Barros e Verônica Brandão.

 

PROGRAMAÇÃO

 

18 de março – Segunda-feira

18h30 às 22h – Aula Magna

Tema: Economia compartilhada: produção e consumo em comunicação

Convidados: Francisco Lima Júnior – Analista de Inovação de Competitividade do Sebrae/GO e Marcos Alberto Bernardo de Campos – co-fundador e sócio do Instituto e Parque Tecnológico Gyntec

Local: Auditório Bueno

 

19 de março – Terça-feira

8h às 10h30

Encontro de Egressos Matutino

Convidados:

Jornalismo: Kariny Bianca, Thaís Dutra e Yago Sales

Publicidade: Danúbia Borges, Jordão Vilela e Synval Jordão

Local: Sala de Atos

 

19 de março – Terça-feira

Encontro de Egressos Noturno

18h30 às 22h

Convidados:
Jornalismo: Alex Rodrigues, Patrícia Piassa e Thaís Dutra

Publicidade: Bruno Aquino, Marcelo Vieira e Wanessa Carneiro

Apresentação do Projeto de Responsabilidade Social Abrace uma Causa.

 

20 de março – Quarta-feira

Oficinas Matutino

8h às 12h

1. Mobgrafia – a fotografia mobile. A vida pelas lentes do smartphone (Karine do Prado)

2. Como fazer jornalismo usando o celular (Viviane Maia)

3. Um telefone na mão e uma ideia na cabeça: como produzir audiovisual usando o celular (Verônica Brandão)

Local: Salas e laboratórios do bloco 1

 

20 de março – Quarta-feira

Oficinas Noturno

18h30 às 22h

1. We love ABNT (José Antônio Cirino)

2. Redação criativa (Sandra Paro)

3. Roteiro e criação em rádio (Gildésio Bomfim)

4. Roteiro e criação em vídeo – Parte 1 (Verônica Brandão)

5. Texto opinativo em jornalismo: resenha e artigo de opinião (Patrícia Drummond)

6. Rotina na agência de publicidade (Cláudia Temponi)

7. Novas formas de consumo na economia compartilhada – Parte 1 (Márcia Pimenta)

Local: Salas e laboratórios do bloco 1

 

21 de março – Quinta-feira

Oficinas Matutino

8h às 12h

1. Roteiro audiovisual de ficção (Frederico Carvalho)

2. Let´s speak English (Maurício Lopes)

3. Um telefone na mão e uma ideia na cabeça: como produzir audiovisual usando o celular – Turma A (Verônica Brandão)

Local: Salas e laboratórios do bloco 1

 

21 de março – Quinta-feira

Oficinas Noturno

18h30 às 22h

1. Além da selfie – Fotos incríveis usando apenas o celular (Karine do Prado)

2. Julgamentos históricos: entre jornalismo, direito e ira (Roberta Barros)

3. Roteiro e criação em vídeo – Parte 2 (Verônica Brandão)

4. Boas práticas para e-mail marketing (Joseane Ribeiro)

5. Como fazer jornalismo usando o celular (Viviane Maia)

6. Novas formas de consumo na economia compartilhada – Parte 2 (Márcia Pimenta)

7. Edição audiovisual em Adobe Première (Juliana Junqueira) // Laboratório de Informática 2

Local: Salas e laboratórios do bloco 1

 

22 de março – Sexta-feira

8h às 12h

Cineclube – 1ª Sessão Matutino

Filme: Tempo Compartilhado

Local: Auditório Bueno

 

22 de março – Sexta-feira

18h30 às 22h

Cineclube – 1ª Sessão Noturno

Filme: Tempo Compartilhado

Local: Auditório do Colégio Téo

 

SERVIÇO:

Semana de Integração Acadêmica 2019/1

Quando: 18 a 22 de março

Horário: 8h às 12h (matutino) e 18h30 às 22h (noturno)

Onde: Faculdade Araguaia – Unidade Bueno (Av. T-10, 1047 – Setor Bueno, Goiânia – GO)

Entrada franca

Economia compartilhada será o tema do semestre

Texto e Fotos: Lu Couto e Willian Alves

Edição: Profa. Viviane Maia

 

A coordenação dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda da Faculdade Araguaia lançará a pauta norteadora deste semestre – intitulada Economia Compartilhada: Produção e Consumo em Comunicação –, durante a abertura da Semana da Integração Acadêmica dos cursos de Comunicação, nesta segunda-feira, 18 de março, das 18h30 às 22h, no auditório da unidade Bueno. Este evento prossegue até a sexta-feira, 22, e tem por objetivo recepcionar os alunos, promover a integração entre alunos calouros e veteranos e apresentar as principais discussões e atividades que serão realizadas ao longo do semestre.

A escolha pelo tema economia compartilhada tem por objetivo promover uma discussão sobre quais são as novas maneiras de se produzir e consumir comunicação social no contexto da cultura digital e da nova economia. De acordo com a professora Márcia Pimenta, a economia compartilhada vem sendo estabelecida e consolidada nos últimos tempos. “O nosso papel, no processo de ensino e aprendizagem, é o de mostrar aos alunos as novas realidades que se apresentam no mercado. Temos de incentivar os discentes a pensar de maneira mais inovadora as práticas profissionais”, explica.

Professora Márcia Pimenta. Foto: Lu Couto e Willian Alves.

Segundo a coordenadora dos cursos de Comunicação Social, professora Viviane Maia, a cultura digital trouxe mudanças na forma de produzir e consumir informação e por consequência, mudanças na forma de fazer jornalismo e publicidade e propaganda. “O objetivo é levantar junto a comunidade acadêmica uma discussão sobre quais caminhos a comunicação social deve seguir nesse século XXI, a partir da ideia de economia compartilhada”.

Professora Viviane Maia. Foto: Lu Couto e Willian Alves.

A escolha desta pauta parece ter agradado também os estudantes. “Os temas das pautas norteadoras trazem sempre assuntos bem atuais e ajudam os alunos a pensarem e refletirem de forma diferente. O tema que iremos discutir nesse semestre, com certeza, irá ajudar em nossas carreiras, independente da área de atuação dentro da comunicação”, afirma o aluno do curso de Publicidade e Propaganda Diogo Teixeira.

Aluno do curso de Publicidade e Propaganda Diogo Teixeira. Foto: Lu Couto e Willian Alves.

A estudante de Jornalismo Maria Augusta do Planalto também reconhece a importância de se discutir esta pauta. Ela lembra que o jornalismo também tem de se adequar a essa nova economia. “Acho relevante a nossa Instituição abordar esse tema porque, hoje em dia, tudo pode virar negócio. O jornalismo também é um negócio”, expressa.

A estudante de Jornalismo Maria Augusta do Planalto. Foto: Lu Couto e Willian Alves.

SERVIÇO

Lançamento da Pauta Norteadora do Semestre 2019/1:
Economia Compartilhada – Produção e Consumo em Comunicação

Data: segunda-feira, 18 de março de 2019
Horário: às 18h30
Local: Auditório Bueno da Faculdade Araguaia

Beber e dirigir é crime, e pessoas insistem nesse delito em Goiás

Texto: Jonathan Cavalcante

Edição: Vinícius Martins

 

“Uma pessoa que bebe, pega um carro e sai dirigindo, ela quer matar’’, afirma o delegado Manoel Vanderic, titular da Delegacia de Trânsito da Policia Civil em Anápolis falou ao Araguaia Online sobre as pessoas que ingerem bebidas alcoólicas e insistem em dirigir.

Para o delegado a prevenção é muito importante. Diariamente em Anápolis, a 55 km de Goiânia, motoristas são detidos pelo artigo 306 do código penal, nos flagrantes os motoristas demonstram fala arrastada e forte hálito etílico.

“Isso é crime, isso é perigoso, gera morte”. O veículo acaba sendo uma arma. Um acidente pode matar uma família inteira’’, alertou o delegado.

Confira a entrevista o Delegado Manoel Vanderic para o Araguaia Online:

Casamento fora de moda

Texto: Maria Planalto

Edição: Vinicius Martins

 

Véu, grinalda, vestido branco, buquê, igreja, daminhas e pajens. Todos esses substantivos já fizeram parte dos sonhos de muitas mulheres. Mas hoje o tempo é outro e cada vez mais cresce o número de pessoas que não querem casar. O Brasil registrou 1.095.535 casamentos civis em 2016, o que significa uma queda de 3,7% no total de casamentos em relação a 2015. É o que mostra a pesquisa mais recente da Estatísticas do Registro Civil 2016, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Ainda não foi divulgado do ano de 2017.

Medo de perder a liberdade, falta de preparo financeiro e a busca pelo par perfeito podem estar afastando as pessoas do altar. E são os jovens que não querem casar. Um relatório do Urban Institute, de Washington, prevê que grande parte dos integrantes da chamada Geração Y ou geração do milênio, nascida entre os anos 1980 e 2000, chegará solteiros aos 40 anos.

Já os adultos estão formalizando suas uniões mais tarde, e a parcela de pessoas vivendo juntas e criando filhos fora do casamento aumentou significativamente, afirma o estudo. No Brasil, a idade média para o casamento passou de 23 anos para as noivas e 27 anos para os noivos, na década de 1970, para 30 anos para elas e 33 anos para eles, conforme o IBGE. A elevação da idade média ao casar nos últimos anos pode ser reflexo da maior dedicação aos estudos e da busca por salários mais elevados.

Entre os adultos ouvidos pelo Pew Research Center que nunca se casaram, mas que não descartam a possibilidade, 27% afirmam não estar financeiramente preparados para o casamento, e 22% dizem não estar prontos para sossegar. Outros 30% argumentam que ainda não juntaram os trapos formalmente por não terem encontrado alguém que tivesse as qualidades que buscam num cônjuge.

“O dinheiro é um dos motivos pelo qual os casais mais encontram dificuldade para o casamento. Eu diria que o problema não é o dinheiro, mas a forma como o casal lida com ele”, explicou a psicóloga Lívia Tomás. Segundo ela o segredo é trabalhar por meio de um diálogo e entender, verdadeiramente, o significado do dinheiro para cada um, assim há uma possibilidade de encontrar um denominador comum.

Crédito da foto: reprodução/internet.

Morar Junto

Cada vez mais casais optam por viver sob o mesmo teto e adiar ou até abrir mão do casamento. Segundo o IBGE, no Brasil é cada vez mais comum a opção pelo convívio em união consensual e a postergação do casamento formalizado.

A declaração de união estável está sendo uma opção muito procurada pelas pessoas que querem ter acesso aos benefícios das pessoas casadas, como o desejo de incluir o parceiro em planos de saúde e financiamento de imóvel, mas não querem passar por todos os requisitos formais que caracterizam o casamento no civil.

O Novo Código Civil define a união estável como uma “relação de convivência pública entre duas pessoas que é estabelecida com o objetivo de constituição familiar”. Uma novidade no que diz respeito a união estável, que está presente no Código é a não menção a um prazo mínimo de duração da relação de convivência para que ela seja considerada válida. No documento também é citado que não é um pré-requisito as duas pessoas morarem juntas, os declarantes podem morar em casas diferentes.

A principal diferença entre o casamento e a união estável é a partilha de bens em caso de morte, uma vez que o casamento considera a companheira viva herdeira de alguns bens do falecido, mesmo sem a necessidade de testamento, já a união estável não garante isso, é preciso ter um outro documento que ateste essa vontade por parte do casal. Outra diferença está no estado civil: quem está em uma união estável ainda responde como solteiro.

1 2 3 16