A corrida pelo boato

Resenha – O Abutre

Por Brenda Bianca

Edição: Profa. Patrícia Drummond

 

O Abutre

O filme O Abutre conta a história de Louis Bloom (Jake Gyllenhaal), um ladrão de metais que tenta ganhar a vida do jeito mais fácil. Até que um dia ele presencia um acidente na avenida, na qual fica parado observando o acontecimento até se deparar com um cinegrafista freelancer, que filma todo o ocorrido e as vítimas para vender para alguma emissora de TV. Neste momento, o protagonista enxerga a possibilidade de fazer carreira e ganhar dinheiro fácil, como cinegrafista independente. Assim entra a personagem de Rene Russo, Nina, editora de um telejornal sensacionalista que alimenta os noticiários com essas filmagens.

Bloom, no início, compra uma câmera e um rádio de polícia, no qual fica escutando as ocorrências em busca de acidentes para fazer imagens e negociar com as emissoras. Com o tempo, ele vai ganhando experiência na área e uma certa notoriedade pela mídia. Certo dia, Louis se depara com um acidente, chegando ao local antes da polícia. É neste momento que faz sentindo o nome do filme: “O Abutre”. O personagem de Jake Gyllenhaal começa a alterar e moldar a cena do crime, como se fosse seu palco.

O roteiro é audacioso em trabalhar um assunto polêmico, como o sensacionalismo e as fake news, terrenos em que se faz de tudo pela audiência, de maneira bastante simples. Não é à toa que O Abutre – lançado em novembro de 2014 – tenha recebido uma indicação ao Oscar de 2015, como melhor roteiro original. O diretor Dan Gilroy é conhecido pelos seus trabalhos de foco social reflexivo – como em Gigantes de Aço -, e em O Abutre não seria diferente. O diretor apresenta um personagem que vive uma dicotomia moral entre ser ‘o abutre’ que sobrevoa a carcaça e tirar vantagem para sobreviver ou ser a carcaça.

Gyllenhaal não fica muito atrás do diretor. O ator emagreceu cerca de dez quilos para apresentar um personagem com um aspecto moribundo; outra analogia ao abutre. No começo, ele parece só mais um desesperado inofensivo, mas, com a lábia, vai ganhando espaço e importância, tornando-se assustador às vezes. Jake consegue traçar o perfil do anti-herói: ora você fica com pena dele e deseja que tudo dê certo e ora você deseja que ele saia de cena de tão escroto e oportunista!

A fotografia não é das mais alegres, criando uma atmosfera cada vez mais sombria, que mergulha nesse ambiente olho por olho, dente por dente que Gilroy apresenta. A personagem de Rene também é muito bem construída. Ela é a típica pessoa desiludida com a profissão; uma jornalista cheia de sonhos que é jogada nessa realidade do sensacionalismo e tem que se adaptar.

O filme é considerado como uma crítica à nossa realidade: não só seu personagem, como muitos outros profissionais são os abutres que se aproveitam de falhas alheias para se beneficiarem. Como devemos lidar com isso? Onde fica a ética profissional? O autor não responde a essas perguntas, ele prefere nos dar o sucesso duvidoso de seu personagem: o sucesso que muitos alcançam como Bloom.

Ficha técnica

Poster O Abutre

O Abutre (2014)

(Nightcrawler)

  • País: EUA
  • Classificação: 12 anos
  • Duração: 117 min.
  • Direção: Dan Gilroy
  • Roteiro: Dan Gilroy
  • Elenco: Jake Gyllenhaal, Rene Russo, Bill Paxton