As verdades e mentiras sobre a depressão

Texto: Maria Planalto

Edição: Vinicius Martins

Os paradigmas envolvendo a depressão e o risco de suicídio são muitos e, por isso, o assunto ganhou um mês de conscientização para ser amplamente discutido pela população, o Setembro Amarelo. O Ministério da Saúde divulgou nesse ano os novos dados sobre tentativas e óbitos por suicídio no país. Os números apontam que entre 2006 e 2017, foram registradas 106.374 mortes por suicídio no Brasil, sendo que a taxa chegou a 5,8 por 100 mil habitantes em 2016, com a notificação de 11.433 óbitos por essa causa. O Brasil é o oitavo país em número absoluto de suicídios.

Segundo o psiquiatra José Alberto Del Porto, o suicídio, em quase 100% dos casos, está associado a uma doença mental, como a depressão. Pare ele, apesar dos altos índices de casos, essa doença ainda é estigmatizada pela população, que, desconhece, por exemplo, que a enfermidade pode apresentar uma forma resistente, quando não responde a pelo menos dois tipos de tratamento.

Para o médico, a depressão e o suicídio é uma questão de saúde pública que tem se agravado no país, principalmente porque há ainda um grande preconceito das pessoas. “Conversar sobre como agir nessas situações é fundamental para quebrar os mitos que existem hoje. A sociedade precisa estar orientada em relação as modalidades de tratamento para que as pessoas possam ter o cuidado de acordo com a necessidade clínica”, explica.

O psiquiatra José Alberto Del Porto. Crédito da foto: reprodução.

Mentiras

Muitos acreditam que a pessoa com depressão pode melhorar apenas com a força de vontade, o que é um mito. Conforme o psiquiatra, é possível atingir a remissão dos sintomas da depressão. “Para isso, é essencial que a pessoa que apresente o distúrbio procure o apoio de um profissional de saúde para fazer uma avaliação individualizada, começando imediatamente o tratamento, após o diagnóstico”, orienta.

Conforme o especialista outra mentira muito comum é sobre o tratamento da depressão e da pessoa em risco de suicídio. Há quem afirma que são os mesmos, o que é falso.  O diagnóstico final da pessoa deprimida e também o risco de suicídio exige uma investigação criteriosa por parte dos profissionais de saúde, para, então, ser definido qual o protocolo ideal em cada caso.

“O tratamento da depressão pode ser realizado com a utilização de medicamentos, psicoterapia ou a combinação dos dois. Entre os tipos de terapias atuais no mercado estão os antidepressivos, ansiolíticos e antipsicóticos. Especificamente para o suicídio, o lítio possui evidências na prevenção em longo prazo, talvez por atuar sobre o estado de ânimo e reduzir a impulsividade inerente a esses atos”, revela José Alberto.

Entretanto, ele explica, que uma parte dos pacientes com depressão pode não apresentar melhoras após o uso de pelo menos dois desses medicamentos. Nesse caso, passam a ser diagnosticados com depressão maior resistente ou depressão refratária.

Há ainda questionamentos sobre falar ou não sobre o assunto, e que isso pode incentivar a pessoa depressiva a cometer suicídio. Para o psiquiatra isso é totalmente uma farsa. Conversar com a pessoa que apresenta sinais de depressão pode abrir espaço para o paciente falar sobre o tema e servir como ferramenta de prevenção ao suicídio.

Verdades

Já o psiquiatra garante que é verdade que o tratamento contínuo tem impacto positivo na qualidade de vida do paciente. Conforme ele, a pessoa com depressão possui diversas opções de tratamento e os cuidados adequados como uso de terapias médicas e acompanhamento psicológico permitem a retomada das atividades cotidianas e a remissão completa dos sintomas.

Também é fato, de acordo com ele, que a depressão é uma das principais causas de suicídio. “Os transtornos do humor (depressão ou transtorno bipolar) são responsáveis por aproximadamente 36% dos casos de suicídio. Além disso, os pacientes com a doença apresentam cinco vezes mais chances de cometer o ato”, afirma o médico.

José Alberto assegura que existem diversos outros fatores de risco para o suicídio, entre eles: tentativas prévias de cometê-lo, histórico familiar e genética, impulsividade, desesperança e sentimento de desamparo, doenças clínicas não psiquiátricas (doenças graves e sem cura, por exemplo), eventos adversos na infância e na adolescência (como maus tratos e abusos sexuais) e poucos vínculos sociais.