Goiás tem uma farmácia aberta a cada 27 horas

Texto: Maria Planalto

Edição: Vinicius Martins

 

Crédito da foto: reprodução.

cada 27 horas, uma drogaria ou farmácia é aberta em Goiás. Só entre julho de 2017 e junho deste ano, 315 novos estabelecimentos do tipo abriram as portas no Estado. Neste período, Goiânia ganhou mais 55 empresas do segmento, somando farmácias de grandes redes e drogarias de bairro, independentes. O levantamento é do Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos do Estado de Goiás (Sincofarma-GO).

Com 4.195 lojas em funcionamento, Goiás tem uma farmácia ou drogaria para cada 1,6 mil habitantes. A média nacional é de uma loja para cada 2,7 mil pessoas. Goiânia, onde há 982 empresas desse segmento, tem média ainda menor, de uma farmácia ou drogaria para cada 1,5 mil moradores.

Para o presidente do Sincofarma-GO, João Aguiar Neto a expansão do setor se dá como reflexo da alta competitividade nesse tipo de negócio e pela própria demanda da população do Estado. De 2010 para cá, o número de habitantes em Goiás cresceu 15%, saltando de 6 milhões para 6,9 milhões de pessoas.

Alerta

Porém, esses números também revelam outro fator,  o crescimento do uso inadequado dos remédios. “O medicamento, se utilizado de forma inadequada, pode causar mais danos do que benefícios”, alerta a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Uma das consequências mais frequentes de atitudes como essas é a intoxicação.

“Medicamentos são produzidos para beneficiar as pessoas, mas se não forem utilizados corretamente podem desencadear reações indesejáveis e até causar riscos severos à saúde”, explica Lorena Baía, presidente do Conselho Regional de Farmácia do Estado de Goiás (CRF-GO).

Consumir medicamentos de forma inadequada ou usá-lo de forma irracional também pode causar dependência e reações alérgicas. Além disso, a combinação errada de medicamentos diferentes também oferece riscos à saúde, já que um medicamento pode anular ou potencializar o efeito do outro. “A automedicação leva ao agravamento da doença, já que a utilização inadequada de medicamentos pode esconder determinados sintomas e fazer com que a doença evolua de forma mais grave”, observa a Anvisa.

Os danos causados por medicamentos, além de graves, custam R$ 60 bilhões ao ano para o Sistema Único de Saúde (SUS). A cada real investido no fornecimento de medicamentos, o governo gasta cinco reais para tratar as morbidades relacionadas a remédios. As mais onerosas são as causadas por reações adversas, 39% dos gastos, pela não adesão ao tratamento que são 36%, e pelo uso de doses incorretas, 16%.

Segundo o Ministério da Saúde, cerca de 70% dos pacientes com hipertensão, diabetes ou dislipidemias, em sua maioria, usuários de vários medicamentos, não conseguem controlar suas doenças mesmo tendo diagnóstico e prescrição de médicos.

Em outro estudo, o órgão apurou que 82% dos pacientes que utilizavam 5 ou mais medicamentos de uso contínuo o faziam de forma incorreta ou demonstravam baixa adesão ao tratamento.

Um em cada três pacientes abandonou algum tratamento, 54% omitiram doses, 33% usaram medicamentos em horários errados, 21% adicionaram doses não prescritas e 13% não iniciaram algum tratamento prescrito.

Segundo a professora Julieta Mieko Ueta da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP, em entrevista ao Saúde sem Complicações, uma dor de cabeça pode ser resolvida com a automedicação, mas o médico deve orientar qual é o mais indicado para o paciente, principalmente para grupos de risco, como idosos e crianças. “É preciso conhecer o que o seu corpo permite e qual substância pode fazer mal”, explica.