A luta de Dona Iva para cuidar de cães abandonados

Redação: Jonatham Ferreira

Edição: Ana Maria Morais

Para muitos é o melhor amigo do homem e para outros um grande empecilho.  A Organização Mundial da Saúde estima que no Brasil haja cerca de 30 milhões de animais abandonados, entre eles 10 milhões de gatos e 20 milhões de cães.

Sabemos que os animais têm sido objeto de maus-tratos. Muitas pessoas parecem ter prazer em maltratar, deixar com sede, com fome, amarrado em uma corrente, sem espaço, sem oportunidade até mesmo de latir. Cachorro nasce e em alguns meses é tirado da mãe,  logo após vai para casa de um desconhecido, vai criando afeto amor e, muita vezes, depois de alguns dias, ele começa a receber maus tratos. O cachorro é tão inocente que você pode bater, logo depois  ele age com um carinho tão imenso, dá aquela lambida de amor…

Ainda bem que existem pessoas que têm compaixão e mantêm abrigos para animais, como vimos no Dia D da campanha Abrace uma Causa, organizada pela coordenação dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda da UniAraguaia. Tiram do seu próprio bolso para manter esses animais e não têm medido esforços para ajudar a zelar de um ser tão indefeso. Este é o  caso de Rosa Iva Ferreira, conhecida como dona Iva, que cuida de 14 animais em sua casa com a renda de um salário mínimo. 

Qual é o motivo que faz a senhora cuidar dos animais?

O motivo é muito simples, o abandono, falta de amor do ser humano, animais abandonados indefesos precisando só de um lar, só de alimentação e de carinho. Doente, machucados atropelados, sem ter  a oportunidade de falar.

O que a senhora acha que deveria ser feito?

Que os governantes tivesse compaixão, amor no coração, desenvolvesse casas, abrigos para esses animais indefesos onde pudesse ter uma alimentação cuidado de veterinários e a oportunidade de pessoas que viesse conhecer e adotar esses animais.

Como a senhora mantém esses animais?

Algumas pessoas vêm me ajudar, mas eu faço feira, vendo roupa usada pra manter esses animais. Já paguei tratamento de câncer, já paguei tratamento de visão pros animais, tudo com o dinheiro das minhas roupas usadas.

Uma história que mexe com a senhora? 

São várias. A última história é desse animal que está aqui, ele estava morando numa calçada, tinha levado duas facadas, fui lá peguei, imediatamente já levei para o veterinário e começou os tratamentos, que ele tava muito machucado. Tenho uma cadelinha chamada de estrelinha que morava debaixo de um caminhão, ela tava com a doença do carrapato muito machucada, até com mau cheiro, mas tratei, mas ela ficou com sequelas da doença do carrapato.

Qual o sonho da senhora para a vida desses cães? 

Meu maior sonho é ver nenhum animal na rua, abandonado, machucado, ferido… Se cada ser humano adotasse um animal não teria tantos animais nas ruas. 

Ana Maria - UniAraguaia

Read Previous

Apelidado de “príncipe de Angola”, o publicitário Abdul conta um pouco de sua vida no Brasil

Read Next

Uberização do trabalho: a informalidade