Mais que um hobby

Uma história de amor com o futebol.

LUANA BERNARDES E LUCIANA FERNANDES

Por termos o título de “Brasil, o país do futebol”, muitas crianças crescem com o pensamento de crescer e ser jogador de futebol. É uma das principais brincadeiras nas escolas, nas ruas, dentro de casa, etc. O futebol desperta paixões. É um amor passado de pai para filho, geração em geração.

Para contar esta história, voltamos para os anos 80. Vamos contar um pouco da história de Adair Júnior. Um pequeno com um grande sonho…

Os pés descalços não cansam de correr atrás da bola. O sol forte de Goiânia parece não intimidar a brincadeira das crianças. A felicidade é visível, para aqueles pequeninos que só se imaginam como os grandes cracks dos gramados. Enquanto joga, uma janela da imaginação se abre e Adair se vê ao lado de Zico, tocando a bola, recebendo de volta e marcando um gol. Acorda desse sonho com um grito de seus amigos para que chute logo a bola.

Apesar de sua vontade de ser um crack do futebol se estender até a adolescência, Júnior se viu distante de seu sonho de ser jogador de futebol. Aos 16 anos, Adair se adaptava à nova realidade: ter que cuidar de seu irmão mais novo, já que sua mãe, solteira, tinha de trabalhar para garantir o sustento de todos. Ele não poderia mais jogar bola depois da aula.

No começo era difícil ver seus amigos brincando e não poder desfrutar da brincadeira. Agora troca fraudas, serve inúmeras mamadeiras. Entre banhos e mais mamadeiras, Júnior aos poucos via seus objetivos indo embora. Ainda podia contar com as aulas de Educação Física, mas não era a mesma coisa.

O tempo passou, se formou no ensino médio, se casou, teve um filho, ingressou no curso superior. Depois que a vida adulta chegou não lembrava mais de futebol. Havia deixado seu sonho adormecido em um canto de sua memória. Adair não imaginava o que estava por vir.

Em uma tarde de outubro de 2013, em seu trabalho, Adair sente um desconforto. Uma dor forte no peito. Ele se levanta, vai ao banheiro, molha o rosto, dá uma volta e bebe um gole de água. Engana-se pensando que vai passar, que é uma indisposição qualquer. Não imaginava que um infarto estava por vir. Sua pressão arterial chega à 17X14, muito alta. Júnior acorda na emergência do hospital com este diagnóstico. Segundo o médico este problema era decorrente de uma vida sedentária, má alimentação, estresse. Assustado, pensa em como essa doença poderia ter começado, mesmo ele sendo tão jovem, com apenas 30 anos. Pensa na vida que poderia estar chegando ao fim. Lembra de seu filho, sua família, em quanta gente poderia estar deixando para trás. Doenças não escolhem pessoas, cor ou idade. Elas aparecem. Mas ele estava disposto à lutar por sua vida.

Para Adair, esse susto bastou para que ele acordasse para outra realidade. Afinal, ele sabia o que fazer para manter uma vida saudável. Não fazia por falta de tempo. Com o tratamento e alimentação adequados, agora era a hora de voltar a praticar alguma atividade física. Sair do sedentarismo era fundamental para sua recuperação.

Foi quando se lembrou dos tempos de criança. O futebol sempre o fez feliz e sentiu vontade de jogar futebol, chegou a hora de voltar à correr atrás da bola. No começo, o médico recomendou uma atividade mais leve. De início a caminhada, depois corrida. Após dez meses de treinos leves, estava liberado seu futebol.

“Nunca mais deixarei de jogar. Estes dias em que me encontro com meus amigos para jogar nossa “pelada”, renovam minha mente. O cansaço vai embora. As dores nas articulações acabaram”, diz Adair Júnior.

Hoje, com 32 anos, volta aos gramados. “Me sinto um novo homem. Sinto mais energia, voltei a ser feliz! Nos dias que não têm futebol, faço minha caminhada, sempre

alternando com a corrida! Hoje me vejo como uma grande inspiração para minha família e amigos. Minha esposa passou a frequentar as aulas de musculação, cinco vezes por semana. Meu filho joga na escolinha do Goiás Futebol Clube. Hoje, me sinto mais feliz, de bem comigo mesmo. Espero que minha história sirva de exemplo para outras pessoas. O futebol é mais que um hobby pra mim, porque me proporciona alegria, saúde, bem-estar. Eu amo jogar futebol”, diz Adair Júnior.

Araguaia Online - Equipe

Read Previous

O sonho perdido

Read Next

Ofício em jogo