Por Eduardo Melo

Era uma linda tarde de domingo em Goiânia, o Serra Dourada estava lotado, dividido pelas torcidas embalando os times no mais emblemático clássico do futebol goiano: Goiás x Vila Nova. Sentado na arquibancada virtual, a vontade de reviver o jogo é enorme.

Pelas escalações é notável uma superioridade técnica do Goiás. O jogo começa muito pegado e nervoso. Com “bandeirões” e papel picado, é maravilhoso o que está acontecendo nas arquibancadas. Primeiro ataque pelo lado esquerdo, Araújo costura pela linha de fundo e cruza para Alex Dias marcar de cabeça, o esmeraldino sai na frente. O colorado está nervoso em campo, Carmona acerta um soco em Túlio Lustosa (que hoje é diretor de futebol do Goiás) e é expulso. Outra bola na área e o verdão amplia no serra, 2×0 e com um jogador a mais, time sobrando em campo.

Começa o jogo no segundo tempo, o time esmeraldino tem um jogador a mais e o placar de 2×0, pode-se esperar uma goleada? A torcida do verdão cantando no Serra Dourada lotado. Araújo parte pra cima é derrubado na área, pênalti para o Goiás. Fernandão desloca o goleiro e amplia o placar (3×0). Torcida do tigrão se cala, alguns vão embora do estádio, jogadores comemoram fazendo ironia ao adversário.

O que aconteceu com o Vila Nova? Time apático e nervoso. Aí os deuses do futebol abençoaram Anderson, o centroavante do time colorado fez logo dois gols, cobrando pênalti e outro em um giro espetacular em cima do zagueiro. Esperança, 3×2 no clássico. Escanteio no lado esquerdo do ataque do Vila, defesa do Goiás afasta e a bola fica no meio com o zagueiro Leonardo (vai chuveirar na área) que nada, ele bateu pro gol, do meio de campo (que pintura) Leonardo fez o gol que o Pelé não fez,um dos gols mais lindos da história do Serra Dourada.  Que clichê! nem o torcedor mais apaixonado do tigrão imaginava o empate.

Coincidências que o futebol traz, Harlei era goleiro do Vila e comemorou como se fosse final de campeonato o gol de empate; o técnico Tatá encorajou seus jogadores. O Vila teve raça, disposição e Reinaldo, o jogador mudou a cara do jogo, pintou e bordou. Entrar no intervalo, com um a menos e perdendo de 2×0, que latada! Tem que ser iluminado para entrar para a história.

Falta para o tigre, imagina quem sofreu? Reinaldo, ele estava “danadinho”, o volante Luizão bate, bola passa pelo terceiro homem da barreira, na gaveta! Outro golaço no Serra Dourada. Vira o jogo (vermelhou). Emocionante, torcedores choram, cantam “tigrão oh oh”, vermelho do sangue, da luta, do Vila Nova. Impressionante, o milagre aconteceu 4×3, de arrepiar.

Contra-ataque do colorado, enfiada de bola e Luciano encobre o goleiro Adnan outra pintura, virou goleada. O futebol é incrível, impressionante e imprevisível, torcedores do Goiás deixam o estádio, sem entender nada. O tigre comeu periquito, em um dos jogos mais fantásticos da história do goianão, o clássico do século.

Araguaia Online - Equipe

Read Previous

Equidade de gênero é debatida no lançamento do Observatório dos Direitos das Mulheres

Read Next

Curso de Teologia no ensino a distância