Uma viagem de oportunidades

A vida do jovem que com 21 anos, largou tudo para tentar a vida no futebol fora do Brasil. 

LETÍCIA FERNANDES E RUSLAYRA PEIXOTO

Ser um jovem, com grandes sonhos e lutar pelo que se sonha faz total diferença na hora de correr atrás e não desistir dos seus objetivos. O importante na vida é o destaque que se dá para os seus sonhos e o que você faz quando eles não saem da maneira como você esperava. Assim aconteceu com o atleta Tássio Andrade, hoje com 26 anos, vive em Bruxelas, na Bélgica. Transformou o não em trampolim e o que poderia ser um fator determinante para sua derrota, tornou-se um engajamento para não desistir e buscar novos caminhos.

Tássio sempre sonhou em ser jogador de futebol cursava Educação Física em uma boa faculdade de Goiânia quando foi surpreendido por um convite de uma pessoa que o observava há algum tempo. Esse convite veio em uma boa hora, jogar no Liverpool Football Club na Inglaterra. Para um jovem que nunca havia saído de Goiânia, era realmente a oportunidade do ano. Tássio trancou a faculdade, juntou dinheiro, vendeu o carro, tirou o passaporte e os documentos necessários e embarcou nessa aventura a onde com ele viveria a maior aventura da sua vida.

Dia 01 de Novembro de 2011 ele saiu do Brasil, deixando a mãe, pai e dois irmãos para correr atrás daquilo que ele acreditava ser o melhor. Quando chegou, realizou alguns testes e treinamentos. Só que as coisas não saíram como o esperado e ele não foi classificado para nenhum time. Sem ter para onde ir e muito menos como voltar, o jovem que largou tudo para se tornar um jogador de futebol profissional fora do seu país, agora se encontrava sozinho, sem dinheiro e sem abrigo. Quando se lembrou de dois amigos, Paulo Martins e Diogo Ferreira. Amigos que viviam na  Inglaterra e que poderiam ajuda-lo de certa forma.

Tássio recebeu um convite para mudar-se para Bruxelas na Bélgica e trabalhar na construção civil de casas junto a um conhecido. Ele precisava de dinheiro para voltar para casa, não viu alternativa a não ser aceitar o emprego temporário para conseguir juntar dinheiro e embarcou nessa nova aventura. No início da jornada, surgiram algumas dificuldades, além do idioma ele precisava se adaptar aos horários e aprender a exercer a função designada. Durante vários dias ele pensou em desistir, em abrir mão de tudo e voltar para casa.

Outros trabalhos começaram a aparecer e as coisas foram se ajeitando. Depois de um tempo, saiu da casa dos amigos, conseguiu alugar um apartamento. Hoje, cinco anos depois, conseguiu estruturar sua vida lá fora. Conheceu uma francesa que mexeu com a sua cabeça e tem o incentivado a crescer ainda mais naquele país.

Tássio não tem pretensão de voltar para o Brasil. “É claro que a saudade às vezes bate mais forte, e é preciso tomar um chá de coragem para não jogar tudo para o ar e desistir. Mas aos poucos as coisas vão tomando forma, e com o passar dos dias vou me adaptando. Ainda bem que existem redes sociais, graças ao facebook e o Skype é possível amenizar a dor da saudade.”  Tássio complementa. Hoje seus irmãos estão planejando fazer uma visita em Bruxelas. Rosa, a mãe de Tássio, não segura as lágrimas ao falar do filho. “Tássio sempre foi um bom filho, não tê-lo por perto é muito difícil para mim e para os irmãos dele que sempre foram apegados. Mas eu sei que em breve estaremos juntos de novo, como uma família.” Diz a professora que fez o possível e o impossível para ajudar a realizar o sonho do filho e não vê a hora de tê-lo por perto novamente.

Araguaia Online - Equipe

Read Previous

O garoto de 65 anos

Read Next

O sonho de uma adolescente lutadora de taekwondo